Quanto eu vou gastar?

Chegamos em um dos momentos mais doloridos para quem está planejando essa aventura, o real valor de todo o processo. Se você já está no meio do caminho provavelmente já sabe boa parte dos valores por aqui, mas para quem está pensando em planejar uma viagem assim é legal saber quanto de dinheiro tem que investir.

Antes de mais nada quero deixar claro que os valores aqui podem variar por questão de data, variação de cambio, e pessoa. Todos os posts dessa serie retratam a nossa experiência, minha e do meu marido. A ideia desse post é realmente entregar a real para quem sonha com isso. Não é um processo barato, mas ele também não é impossível, eu estou aqui como prova. Não sou de família rica, nunca fui, e nos dois juntamos cada centavo disso com muito trabalho. Se a gente conseguiu você também pode.


Todos os gastos aqui são do processo, envolvem empresas de intercâmbio, envio de documentação, tradução juramentada, passaporte… Além disso existem os valores que temos que comprovar para o Consulado Canadense para que eles permitam o visto (valores que comprovam que você tem condições de viver lá) e também valores extras para viver nos primeiros meses, passagem, e outros. 

Colocarei valores em reais daquilo que foi pago em reais e em dólar os que pagamos em dólar. Prefiro não fazer a conversão, pois assim você pode usar como media o valor e usar a cotação do dia que está vendo esse post.

A UNICA TAXA QUE FOI PAGA EM DOLAR AMERICANO FOI A PROVA DE PROFICIÊNCIA. TODAS AS OUTRAS SÃO DOLARES CANADENSES.

  • Empresa de intercâmbio:

Esse assunto já foi abordado aqui no post “Preciso de uma empresa de intercâmbio?“, por isso não vou estender. Como sabem contratamos a 3RA e esse foi o primeiro gasto, pagamos uma consultoria por skype com uma pessoa que mora no canadá para tirar duvidas e tomar as decisões. Essa consultoria pode ser contratada por fora, sem você precisar pagar a contratação da empresa, por isso os valores abaixo estão separados. E depois disso resolvemos fechar com eles para resolverem todo o processo com o college para a gente.

Consultoria por skype: $150

Contrato com a 3RA: $150

  • Passaporte:

Uma parte muito importante do processo. Se você não tem precisa providenciar um, e no nosso caso, já tinhamos mas precisávamos renovar o nosso e por isso entrou nos nossos gastos.

Passaporte em bh: R$252

  • Prova de proficiência:

A prova de proficiência é uma exigência do college para a aplicação. Eu escolhi fazer o TOEFL dessa vez, por questão de data, e já tem um post aqui no blog explicando tudo sobre essa prova (acesse o post aqui). 

ESSE É O UNICO VALOR PAGO EM DOLAR AMERICANO

TOEFL: $250

  • Tradução juramentada do histórico do ensino médio:

Outra exigência do college quanto a documentação para aplicação era a tradução juramentada do histórico escolar e diploma do ensino médio. Nesse caso eu enviei tanto a tradução do meu histórico e diploma do ensino médio quanto do ensino superior. (ainda vou atualizar a postagem sobre essa parte e logo coloco o link aqui). Vale muito pesquisar quais as opções de tradutor você tem. Eu achei valores que variavam bastante e no final paguei bem mais barato.

Tradução juramentada do histórico: R$450

na verdade paguei apenas R$280, que foi a valor que a mulher me cobrou. Não sei porque ela cobrou mais barato, mas agradeci muito porque foi quase a metade do preço. Por isso pesquise e veja se não consegue um desconto. Coloquei o valor real pois nem todos irão conseguir descontos assim.

  • Taxas de aplicação para college:

Esses valores aqui são bem relativos. O primeiro é referente a um valor que a 3RA cobrou por eu fazer a aplicação para mais de um college (no caso, se eu fizesse para apenas um não teria esse acréscimo de valor no pacote). O segundo é referente a uma taxa que a Humber College cobra para aplicação.

Taxa para aplicação para um segundo college (3RA): $50

Taxa de aplicação Humber college: $75

  • Matricula do college + taxa de transferência:

Assim que recebi minha LOA do college eu precisava pagar um valor de matricula para “garantir” minha vaga. Esse valor varia por college/escola, por isso também é relativo. Resolvemos fazer esse pagamento através da 3RA, por nos sentirmos mais seguro e a empresa faz esse tipo de transferência cobrando uma taxa por ele.

Esse valor de matricula já fica no sistema para abater no seu primeiro pagamento do semestre, ele conta mais com uma garantia pro college do que matricula em sí. Por isso ele pode não ser incluso em “gastos do processo”. Mas de qualquer forma você precisa dele em mãos nesse período para garantir sua vaga.

Matricula college: $2300

Taxa de transferência 3RA: $50

  • Taxas para o visto + envio pela DHL:

Aqui vem a parte mais cara, aquela facadinha direto no coração hahahahaha. São várias taxas separadas que precisam ser pagas e depende de como cada processo é feito. Aqui incluem as taxas para visto de estudo e trabalho exigidas pelo consulado e também taxas gerais do VSF para recebimento, transporte, seguro e envio de toda a documentação e passaportes.

Além disso pagamos o envio pela DHL. Na epoca o correio estava para entrar de greve e ficamos com medo dos nosso documentos não chegarem a tempo. Por isso enviei pela DHL, que foi a melhor opção. Aconselho quem quiser a fazer o mesmo, a segurança é muito maior e paguei um pouco mais barato que a taxa de courier do correio.

Total do valor pago para o visto: R$1450

Taxa de envio DHL: R$60

Esse foi o total que pagamos para tudo isso. Não lembro cada valor separado, mas como disse, depende do seu tipo de aplicação, se vai enviar os documentos por correio ou não. Todos os valores são bem explicados nos sites do consulado e VSF, e qualquer duvida é só ligar para o VSF que eles esclarecem tudo.

  • Exames medicos para o visto:

Finalmente a ultima coisa que pagamos desse processo. Esse valor aqui também é variável como a tradução, pesquise e ligue para todos os consultórios que tem na sua cidade pois os valores são exorbitantemente diferentes. Nesse valor foi pago a consulta, rx e exames de urina e sangue.

Valor total dos exames medicos: R$532

—————————————————————————————————————————

Como vocês podem ver é um processo caro, além de demorado. No meio disso ai você ainda tem que ter o dinheiro do primeiro semestre do college, o valor exigido pelo consulado para comprovar que você tem condições financeiras de viver no pais e outras coisinhas a mais.

Total do valor investido no processo (sem o valor da “matricula”):

R$2574 + $475 (dólar canadense) + $250 (dólar americano)

Como é um processo demorado, levou 6 meses desde que contratamos a 3RA até a chegada do visto, você acaba não vendo esse valor todo, ele fica diluído ao longo desse período (só quando você coloca no papel e faz as contas), inclusive só agora escrevendo esse post que tive a real noção do quanto gastamos nesse processo todo.

É caro?? É, sempre falei isso, mas não diz o ditado que “de grão em grão a galinha enche o papo”?

 

Continue Reading

Guia para Mudança de Hábitos #1

É nessa epoca do ano que a gente mais procura as coisas que queremos mudar para começar o novo ano com metas novas, hábitos novos e vida nova. Na verdade é sempre a mesma coisa, paramos para pensar em tudo o que fizemos no ano, anotamos tudo que queremos conquistar e mudar para o novo ano e pronto, 90% dessas coisas não sairão do papel ou mesmo nem serão lembradas.

Por isso resolvi fazer esse post para compartilhar com vocês coisas que eu tem me ajudado muito para alcançar minhas metas e mudar alguns hábitos. Teremos posts variados aqui no blog com o “Guia de Mudança de Hábitos” com passos simples que tem sido bem essenciais para a concretização das minhas metas e das minhas mudanças de hábitos. E hoje vamos começar com o primeiro e mais importante deles…

Guia de mudança de hábitos

  1. Comece sendo realista

Vamos ser sinceros com a gente mesmo, sempre que essa “mudança” aparece em nossos planos fazemos listas imensas, com mudanças drásticas e em sua grande maioria totalmente fora da nossa realidade atual. Por isso ser realista é o primeiro passo. Claro, quero ser fitness no proximo ano, mas sei que essa é uma promessa que me faço todo ano do mesmo jeito, então como posso torná-la mais realista? Pense em pequenos atos que podem te levar ao objetivo maior que você quer:

“Ano que vem serei saudável, projeto #magra123456789. Vou só comer coisas saudáveis, ir para a academia todos os dias as 5 da manhã, fazer pilates, zumba, cross fit, nunca mais comer coisas industrializadas, abandonar o açúcar,…” 

Parece irreal né? Fala que quando você ler uma meta assim não dá aquela preguiça de até começar a pensar no que fazer. As vezes começamos e abandonamos no meio por não ter planejamento ou até mesmo por cada vez mais parecer algo irreal e muito difícil de conseguir. Mas ja pensou que a maneira como você coloca ela na sua vida é que pode estar sendo a sua trava para não conseguir realiza-lo? Que tal dividir essa meta tão grande em passos simples que podem ser mais reais e além de tudo alcançar algo melhor e de forma mais efetiva?

Passos para me tornar fitness no próximo ano:

  • Procurar um nutricionista para fazer um plano alimentar real e que eu consiga seguir.
  • Fazer meu planejamento de horários (estudo/trabalho/casa) e separar 2 a 3 dias da semana para praticar uma atividade física.
  • Procurar uma atividade física que mais se encaixe na minha realidade atual.
  • Fazer o cardápio da semana com meus pratos de café da manhã, almoço, lanche e jantar. – Colar eles na geladeira para que eu possa olhar sempre.
  • Separa um horario no final de semana para fazer as compras de verduras, legumes e frutas que eu goste e coma com frequência.
  • Procurar receitas saudáveis para testar nos finais de semana…

E ai vem o segundo passo para essa realidade, aplique uma coisa de cada vez! Já pensou no quanto é difícil, com uma vida corrida cheia de trabalho e estudos, você começar tanta coisa nova? Por isso é importante dividir metas e sonhos grandes assim e fazer um passo por vez.

No primeiro mês você pode procurar o nutricionista e tentar se adaptar ao plano alimentar que ele te passou, analisando como vai funcionar a questão do consumo e frequência de compras. Assim que esse primeiro mês acabar você já estreia inserido em uma nova realidade e poderá passar para outra. Cada pequeno período que você da para um passo (no caso de um mês) é o seu tempo de adaptação para que a próxima inserção do novo habito não seja tão drástica e tudo não pese ao mesmo tempo.

E dessa forma você vai conseguindo mudar hábitos pequenos que irão te levar ao seu objetivo maior. Agora não pareceu muito mais real??

Continue Reading

Os desafios do novo

Dia 16 de novembro agora fez três meses que chegamos aqui no Canadá. É engraçado como o tempo é algo relativo para cada um né? Para mim parece que já estou aqui a um ano, tanta coisa aconteceu… Mas muitos familiares e amigos me mandaram mensagem falando o quanto parecia que tinha sido outro dia. Mas não foi para falar sobre o tempo que sentei aqui para escrever, foi para falar do quanto “o novo” pode ser desafiador as vezes.

Quando começamos a planejar tudo isso procuramos informações em tudo que é lugar, anotamos dicas, valores médios que as pessoas gastavam, o que fazer e o que não fazer… Foram longos meses planejando para que tudo saísse bem correto e não tivéssemos nenhum imprevisto. Que doce ilusão achar que as coisas seriam simples e sairiam como planejado.

Os planos foram por água a baixo logo na primeira semana quando vimos que os alugueis estavam bem mais caros do que havíamos pesquisado e achar um apartamento era uma corrida (quase literal) contra todos e o tempo. E por mais que havíamos assistido todos os videos sobre o assunto no youtube e pesquisado tudo que existia de informação, muita coisa foi diferente. Ninguém te ensina qual o melhor banco, quando pedir cartão de credito, quanto custa e como comprar o ticket do metro, qual produto escolher no meio de tantas opções novas no supermercado.

Mesmo que você já tenha lido de tudo é inevitável você não sentir aquela pressão de “não sei o que estou fazendo, será que tem alguém olhando?”, “se eu errar da para consertar?”, “será que eu preciso dar sinal para o ônibus parar?”. A gente se pergunta tudo nas primeiras semanas, até se pode ou não andar com o cachorro na rua, afinal, país novo regras novas. E aos poucos você vê que nem adianta seguir plano mais, porque tudo aconteceu de forma diferente do que você tinha em mente.

Nessa horas bate aquela tristeza e pensamentos como “porque decidimos isso mesmo” ou “será que fulano tinha razão de isso ser loucura” passam pela cabeça o tempo todo. Cada não ouvido na procura de apartamento, cada dinheiro que gastamos sem estar no planejamento aumentam o desespero de não saber se as coisas vão dar certo. Isso se soma a angustia de estar longe de casa, de não ter os pais ali do lado para pedir ajuda.

Inclusive família nesse periodo nem sempre ajuda. Toda ligação tem aquela famosa pergunta “vocês estão bem?”, “comeram direito?”, “vão sobreviver?”. A gente vê no olhar daqueles que amamos a preocupação com nossa saúde e a incerteza de se eles estão certos em apoiar essa loucura. E as vezes a gente esconde uma decepção ou outra só para não ter que explicar (até para você mesmo) que isso faz parte e tudo na vida é difícil de alguma forma.

Sorrimos, dizemos que está tudo bem, falamos das coisas lindas que vimos por aqui… as vezes amenizamos um probleminha ou outro para não deixar ninguém mais preocupado ou desesperado (que nós mesmos até). Mas quem nunca amenizou algo por amor ou para não preocupar alguém? Isso se soma aos familiares e amigos que só veem as fotos do Instagram e do facebook e acham que a vida aqui está fácil e somos sortudos de viver felizes e sem problemas.

Não me entenda mal, se não fossem as conversas com meus pais e irmãs, as risadas por FaceTime em momentos de festa (mesmo não estando presente fisicamente e não podendo abraçar o aniversariante) as duvidas seriam maiores. São esses momentos que te fazem esquecer por 5 minutos qualquer probleminha que tenha dado errado. Ao mesmo tempo eles são o alívio que te fazem ter forças para continuar e o tormento de ter que explicar porque comeu pizza a semana toda.

O novo sempre dá medo, seja ele de uma pequena mudança ou algo grande como mudar de país e tentar a vida. Aprendemos que muitas contas aqui são pagas por “money order” (um tipo de cheque especial), que aqui se usa só cartão de credito para construir credito no país e conseguir coisas boas futuramente, que dizer “sorry”, “excuse me”, “please”, “i would like” são mais que obrigação e se você não diz é bem feio, que usar guarda chuva em toronto é pedir para o vento quebrar ele… tanta coisa que aprendemos em três meses, e tantas que ainda não descobrimos como fazer.

Cada dia acaba sendo uma aventura e cada nova duvida o medo volta a bater. Mas quem disse que seria fácil? Se está fácil está errado, não é assim? Hoje temos casa, emprego que pagam as contas, amigos novos, experiências incríveis para contar e muitas duvidas. Ainda temos muito que construir, não temos a vida perfeita que queremos (apesar de fotos de paisagens lindas e momentos legais mostrarem isso para quem realmente não sabe do que se passa), mas tudo vem com o tempo, se chegamos até aqui podemos continuar e tentar melhorar sempre. O novo é sempre desafiante, e é ele que está fazendo a gente vencer cada dia e chegar onde queremos, afinal, se não aceitássemos o desafio dessa “nova vida” não estaríamos aqui não é verdade?

SalvarSalvar

Continue Reading

Materiais usados no Bullet Journal + dica valiosa!

Oi pessoal! Tudo bem com vocês?

Há algum tempinho atrás a Fê fez um vídeo sobre o Bullet Journal dela e mostrou um pouco dos materiais que ela usa! (não viu o vídeo e nem é inscrito no canal? Clica aqui!) Então resolvi também contar pra vocês os materiais que eu uso na hora de me organizar – e um pouco de como uso cada um deles!

Os básicos: caderno, lapiseira, borracha e régua.

Bom, nada mais básico de material para um BuJo do que um caderno, né? Atualmente eu uso o Caderno Pontado da Cícero (e confesso que ainda tenho mais dois iguais guardados porque acabei pegando uma promoção e fiz estoque, haha) na cor Turquesa. As folhas internas são de papel Pólen 80g, que eu particularmente adoro, mas que às vezes deixa passar uma caneta ou outra. Nada muito grave, mas é um fato que leva a dica do final do post – vocês vão ver!

Além do caderno, acho que o mais básico (além das canetas) são lápis (ou lapiseira, no meu caso), borracha, régua e qualquer outro gabarito que você possa ter. Digo isso porque, pelo menos pra mim, fazer um rascunho dos layouts antes de passar a caneta é fundamental. Além de conseguir criar algo mais harmonioso, evita aqueles errinhos né? Claro que isso vai de pessoa pra pessoa, mas acredito que fazer um guia antes de fazer o layout definitivo pode ajudar muito! Sem contar que, pra uma ilustradora como eu que ama encher o BuJo de desenhos, usar esses materiais é de praxe. 🙂

Decorando: papéis, washi tapes e adesivos.

Decorar o Bullet Journal, pra mim, é uma terapia! E ter materiais que me ajudam nisso é algo fundamental. Normalmente, gosto mesmo de encher o BuJo de desenhos. Mas muitas das vezes as tarefas são tantas que não dá tempo de ilustrar ou fazer coisas muito elaboradas. E é aí que entram em cena vários papéis coloridos, washi tapes e adesivos!

Sabe aquele papel de carta antigo, ou aquele kraft de algum envelope? Pois bem, eles podem ser muito úteis na hora de criar algo pra decorar as páginas do BuJo. Tudo vale! Normalmente, além de reciclar papeis que já tenho em casa, também compro blocos de papel coloridos que me ajudam a compor com os temas mensais. Esse tipo de papel está disponível em várias marcas e em qualquer papelaria! Outra coisa que também costumo usar são bloquinhos de anotação coloridos, ou post-its!

E não preciso explicar sobre washi tapes né? Além de ajudar a colar uma infinidade de coisas no BuJo, elas dão aquele toque especial – e fazem pessoas como eu, loucas por papelaria, surtarem um pouquinho, haha. Não tenho tantas washis quanto gostaria (todas as que tenho, inclusive, comprei no AliExpress), mas sempre me virei com elas. Além das washis, também descobri recentemente a magia dos adesivos! Sejam comprados, de freebies ou criados por mim mesma: são uma mão na roda na hora da pressa.

Canetas: para escrever e decorar.

Não posso entrar nesse assunto sem falar das queridinhas da minha vida: as UniPin Fine Line. Já falei sobre elas em um dos primeiros posts que fiz aqui no blog (pra conferir, clique aqui), e falo de novo e quantas vezes precisar, haha! Além de ter várias pontas diferentes, as UniPin não vazam para o outro lado da folha e tem uma escrita super macia. Uso tanto para ilustrar (no BuJo e fora dele) quanto para escrever – no dia a dia uso uma 0.1. Mesmo para pintar áreas um pouquinho maiores, a sobra que fica atrás da folha é quase que imperceptível.

Além das UniPin, também utilizo algumas canetas de ponta dupla que comprei no AliExpress. Comprei o conjunto no intuito de usar a ponta Brush para fazer lettering, mas, não gostei nada da textura da ponta. Como ela tem cores LINDAS, agora uso tanto para ilustrar tanto para o BuJo. A melhor parte é que, se não houver um certo exagero nas camadas de tinta, ela não vaza para o outro lado da folha, não importando qual ponta seja usada – ainda mais com as cores mais clarinhas.

Outras canetas que uso MUITO e adoro, são algumas Brush Pens pretas (também do AliExpress – aliás, quem quiser link dessas belezinhas, só pedir aqui nos comentários que eu respondo com prazer). Uso pra tudo! Títulos, escrever os dias da semana, decorar e etc. E claro, Stabilos! Infelizmente não tenho muitas cores (e as que tenho vazam um tiquinho pro outro lado da folha) então acabo usando pouco. Mas, né, Stabilo é uma paixão sem cura e um dos objetivos da minha vida ainda é ter todas as cores, haha!

E pra corrigir? Normalmente, se o erro é básico, uso corretivo em fita ou caneta branca (atualmente uso a Gelly Roll da Sakura, tanto pra esse intuito, quanto pra colocar detalhes nos letterings e ilustrações). Se o erro foi gritante demais, colo alguma coisa em cima. Mas vamos combinar: errinhos no BuJo não são um problema gigante, afinal, eles tem um pouquinho de nós também né? Tudo faz parte. 🙂

Dica fundamental: faça testes de suas canetas antes de usar!

Ok, pode parecer uma dica muito óbvia, mas, muitas vezes, a gente se perde na empolgação de usar um material novo e esquece de testá-lo no BuJo antes de usar. Criar um spread para reunir os materiais que você usa, além de ser útil e evitar possíveis acidentes, também é uma diversão! Eu pelo menos adoro fazer esse tipo de coisa, e sempre que quero usar algo novo, crio um espacinho no final do meu BuJo só pra ter uma “galeria” específica para cada material.

E não só com canetas! Também uso muito lápis de cor nas ilustrações que faço no Bullet Journal e os testes me ajudam a ver como a cor de cada lápis vai ficar nas páginas e a decidir quais vou usar.

Mas como eu disse ali em cima: erros são normais. Aquela caneta nova maravilhosa vazou pra outra página? Sem problemas! Dá pra corrigir ou simplesmente viver com isso, ir pra próxima página e aprender com a experiência!

 


 

Espero que vocês tenham gostado do post de hoje! E contem pra mim e pra Fê aqui nos comentários quais materiais são INDISPENSÁVEIS pra vocês na hora da organização.

Beijo beijo e até a próxima!

Instagram: @camila.bisson

Twitter: @camilabisson

 

Continue Reading

Me conta aqui… Maria Lowen

Mais um post lindo e cheio de amor nesse quadro. Para quem não sabe agora aqui no blog tem o quadro “Me conta aqui…” em que eu vou convidar pessoas que eu acompanho e acho que tem muito que compartilhar com vocês para virem falar um pouquinho por aqui.

No primeiro post a gente teve  Camila Bisson, que também é colaboradora aqui do blog. Ela falou sobre ilustração e design, que são coisas muito presentes na vida dela. Tivemos também post com a Leticia da LeRô Design, falando sobre ter a marca dela e o design, e o ultimo post foi da linda Thatz falando de minimalismo e bullet journal.

Vocês podem conferir os posts aqui

Hoje eu trago a Maria Lowen @meubulletjournal. A maria foi uma das pessoas que eu segui logo quando descobri o mundo de bullet journal. Ela faz cada coisa linda no bujo dela, e é claro que eu chamei ela para compartilhar um pouquinho disso com vocês.

_________________________________________________________________________

Olá meus amores! Tudo bom? Aqui é a Maria Lowen, lá do @meubulletjournal e do Blog Serotonina. Eu também tenho um canal no Youtube onde falo muito sobre Bullet Journal, estudos, medicina e diversas outras coisinhas. Apresentações feitas, eu to invadindo aqui o cantinho da Fê (obrigada pelo convite!) para falar com vocês um pouquinho sobre Bujo e planners! Então, vamos para de enrolar e vamos ao que interessa.

Começando com a pergunta que não quer calar: por que escolher o método do Bullet Journal? E a resposta é muito simples, é o que mais atende ao que eu preciso. E é assim que uma pessoa deve escolher o seu método de organização. Agora, os pontos positivos do Bujo para mim são: eu consigo colocar o que eu quiser em um lugar só. O que eu precisar, está lá. Sem desperdício e tudo organizado. Numa agenda normal ou planner já vem tudo pré organizado, tudo tem o seu lugar e não tem muito aonde eu colocar coisas extras. Então muitas vezes ficam espaços vazios e outros muito aglomerados, ou seja, um caos. Com o Bullet Journal não, tudo tem o seu lugar. 

Eu sempre fui a rainhas listas! Ia viajar? Vamos fazer uma lista pra mala, uma de lugares que eu quero ir, montar um orçamento, um roteiro… Tenho que estudar, tinha a lista geral de matérias, um calendário e  ainda depois uma anotação em algum lugar de como eu tinha ido e a média final do semestre. Outra coisa que eu sempre gostei de organizar: os eventos da vida. O que eu tinha feito no final de semana, com quem eu tinha saído, o restaurante, todas essas coisinhas. Com o Bullet Journal eu consegui compactar tudo em um canto só! Organizar viagens, estudos, funcionar como terapia e a lista continua, são todas as áreas onde o Bullet Jornal realmente me ajuda. 

Um vez que você decide que vai fazer um Bullet Journal, começa a busca incansável por inspirações e logo vem a dúvida de onde fazer o seu bujo, num caderno broxura, num argolado, sistema de elásticos… Bom, eu já migrei por dois desses, o caderno e o argolado, e posso dizer que os dois são ótimos! E vale a pena lembrar que, o importante, é funcionar pra você. Mas pra mim, o argolado só tem dois defeitos: ele é grande e difícil de escrever sem retirar as folhas dele. Por isso estou usando o caderno no momento, menor, mais fácil de usar em qualquer lugar e apesar de eu não conseguir mais imprimir as páginas e nem reorganizar a ordem das coisas no meu Bujo, funciona perfeitamente. 

Se você está pensando em começar a se organizar com o Bujo, eu tenho uma dica muito preciosa pra você: só comece. Não fique esperando o caderno X ou Y, pegue folhas em casa, grampeie e use como um Bullet Journal. É até melhor você iniciar o processo sem se comprometer, leia-se, sem gastar dinheiro com nada. Aí sim você vai saber como que vai funcionar melhor pra você e vai conseguir fazer uma escolha mais consciente, de caderno, de folha, de caneta, de tudo mesmo! E a minha dica de ouro, quase meu mantra é: pode ser feio, sujo, amassado, do jeito que for, o que importa é que te ajude a se organizar!

E por hoje é só! Espero que vocês tenham gostado da minha visita! Qualquer dúvida, estamos aí! Beijinhos e até a próxima.

SalvarSalvar

Continue Reading